Related Posts Plugin for WordPress, Blogger... Fazendo História Nova: A Revolução Industrial e a luta por direitos sociais no século XIX

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A Revolução Industrial e a luta por direitos sociais no século XIX

Artesanato, manufatura e maquinofatura

O artesanato, primeira forma de produção industrial, surgiu em fins da Idade Média com o renascimento comercial e urbano e definia-se pela produção independente. O produtor possuía os meios de produção, instalações, ferramentas e matéria-prima. Em casa, sozinho ou com a família, o artesão realizava todas as etapas da produção.

Tomando o sapateiro da Idade Média como exemplo, verificamos que era ele quem preparava o couro, que lhe pertencia, cortava-o com sua tesoura ou faca e costurava-o com linhas e agulhas próprias, até ter ponto o sapato (produto final), que ele venderia a algum interessado. 

Já na Idade Moderna, buscando-se produzir crescentemente para o mercado, os trabalhadores urbanos foram muitas vezes reunidos num mesmo local de trabalho, cada um desempenhando uma atividade específica, utilizando principalmente as mãos para transformar a matéria-prima, fazendo surgir o que se denominou manufatura

Esse sistema de produção caracterizou-se basicamente pela divisão do trabalho e aumento da produtividade. Dessa forma, numa fábrica manufatureira de tecidos do século XVII, por exemplo, um trabalhador fiava, outro cortava até que a peça de pano ficasse pronta. 

Finalmente, como o desenvolvimento da economia capitalista, a produção de artigos para o mercado passou a ser feita em série com máquinas, dando origem às maquinofaturas industriais. Os trabalhadores passaram a participar do processo produtivo apenas com a força de trabalho que aplicavam na produção, já que os meios de produção (instalações, máquinas, capitais, etc.) pertenciam à elite industrial, à classe burguesa. 

O uso de máquinas em grande escala foi implantado na Inglaterra a partir de 1750, aproximadamente. Teve profunda influência sobre a economia mundial, ocasionando significativas mudanças sociais, políticas e culturais para o homem contemporâneo. A esse processo de alteração estrutural da economia, que marcou o início da Idade Contemporânea, chamamos de Revolução Industrial.

A Inglaterra foi a pioneira na Revolução Industrial devido ao acúmulo de riquezas (ouro) das atividades comerciais na época mercantilista, ao controle capitalista das propriedades rurais (cercamentos), às reservas de carvão mineral (combustível) ao crescimento populacional e a posição geográfica estratégica para vender os produtos na Europa e nos E.U.A. 

Na primeira fase da Revolução Industrial, a Inglaterra liderou o processo de industrialização e a indústria têxtil foi a que mais se desenvolveu. A grande oferta de matéria-prima (o algodão, cujo maior produtor era os Estados Unidos) e a abundância de mão de obra barateavam os custos da produção, gerando lucros elevados, os quais eram reaplicados no aperfeiçoamento tecnológico e produtivo. Assim, também o setor metalúrgico foi estimulado, bem como a pesquisa de novas fontes de energia. 

Algumas invenções foram de fundamental importância para ativar o processo de mecanização industrial, entre as quais podemos destacar: 

•Máquina de fiar: James Hargreaves – 1767; 
•Tear hidráulico: Richard Arkwright – 1768; 
•Máquina a vapor: Thomas Newcomen (1698) aperfeiçoada por James Watt – 1769; 
•Tear mecânico: Edmond Cartwright – 1785; 
•Barco a vapor: Robert Fulton – 1805; 
•Locomotiva a vapor: George Stephenson – 1815. 

As consequências da Revolução Industrial foram a urbanização e crescimento das cidades, a divisão do trabalho, a criação das linhas de montagem, a produção em série, a concentração de renda nas mãos dos donos das indústrias, o desenvolvimento dos transportes e das comunicações com os novos inventos, o surgimento da classe dos proletários, a exploração do operário com jornadas diárias superiores a 14 horas, o nascimento de sindicatos e ideologias que defendiam o trabalhador, o êxodo rural, o crescimento desordenado das cidades, poluição do meio ambiente e a falta de lazer.


Movimentos sociais do século XIX

O Congresso de Viena em 1815 propôs a restauração das monarquias absolutistas nos países europeus ocupados pelos exércitos de Napoleão no início do século XIX. Unidas novamente, a nobreza e o clero tentaram implantar novamente o absolutismo do Antigo Regime, extinto desde a Revolução Francesa de 1789 e permaneceram no poder pelas três primeiras décadas do século.

Entre 1830 e 1848, a população europeia enfrentou uma série de fatores negativos como seguidas colheitas ruins, situação de miséria do operariado, falta de liberdade, direitos básicos fundamentais e repressão às camadas populares, que possibilitou uma aliança temporária entre o operariado e a pequena e média burguesia.

Desse frágil entendimento provisório surgiram diversos movimentos revolucionários de contestação aos poderes e as forças conservadoras das monarquias absolutistas no poder em grande parte da Europa. Esses movimentos denominados nacionalistas, liberais, socialistas, comunistas e anarquistas, ocorreram em diversos países como na França, Itália, Áustria, Irlanda, Alemanha, Suíça e Hungria.

Vejamos agora o que eram cada um dessas ideias ou movimentos:
•Liberalismo – Os princípios básicos do liberalismo são um governo democrático, onde os poderes do governante sejam limitados por uma constituição e separados em Executivo, Legislativo e Judiciário. O cidadão tem o direito à total liberdade, inclusive religiosa onde a igreja seria separada do Estado. Na economia, a intervenção do estado deveria ser a menor possível e as atividades econômicas dever ser da iniciativa privada;

•Nacionalismo – As principais ideias defendidas pelo nacionalismo eram o respeito à formação nacional dos povos com mesma origem étnica, linguística e cultural e o direito desses povos de lutarem por sua independência como nação e do direito deles de escolher seu sistema político, sua forma de governo em um território livre e unificado. Através dessas ideias nacionalistas, dois países europeus unificaram-se, a Itália em 1860 e a Alemanha em 1870;

•Socialismo – Os filósofos alemães Karl Marx e Friedrich Engels formularam em 1846 uma teoria na qual a economia capitalista seria substituída por uma coletiva, numa sociedade supranacional sem classes chamada de socialismo. Para Marx e Engels, a burguesia que se enriquecia cada vez mais à custa dos trabalhadores (proletários), teria que ser suplantada pelo socialismo, acabando com a exploração dos operários através da ditadura do proletariado “Proletários de todo o mundo, uni-vos!” era o único caminho para a extinção das classes sociais. Os tipos de socialismo acabaram-se diferenciando em socialismo utópico, socialismo científico e socialismo cristão;

•Comunismo – É uma etapa superior ao socialismo sendo uma ideologia que prega a abolição da propriedade privada e o fim da luta de classes, além da construção de um regime político e econômico que possibilite o estabelecimento da igualdade e justiça social entre os homens;

•Anarquismo – Era outra corrente filosófica do movimento operário que defendia a abolição do Estado e de toda e qualquer forma de governo, que seriam as causas da existência dos males sociais, que dever ser substituídos por uma sociedade em que os homens são livres, sem leis, polícia, tribunais ou de instituições que representem o povo, como partidos políticos, centrais sindicais, que privava as pessoas da liberdade de decidir sobre sua própria vida. Para os anarquistas, a sociedade deveria ser organizada de modo que todas as pessoas pudessem participar diretamente das decisões políticas cujas relações seriam voltadas ao auto-abastecimento, sem fins lucrativos e à base de trocas. Seu principal defensor era o russo Bakunin;

•Positivismo – É uma corrente filosófica idealizada por Augusto Comte na França na primeira metade do século XIX que defende a ideia de que o conhecimento propiciado pela observação científica da realidade tornaria possível o estabelecimento de leis universais para o progresso da sociedade e dos indivíduos. Comte, porém, abominava tanto a revolução quanto a democracia, vendo nelas apenas o caos e a anarquia. Para ele “a ordem era a base do progresso social”






Nenhum comentário:

Postar um comentário