Related Posts Plugin for WordPress, Blogger... Fazendo História Nova: Independência dos Estados Unidos

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Independência dos Estados Unidos

A Independência das treze colônias inglesas da América do Norte foi um movimento de grande importância, pois foi o primeiro movimento de emancipação que alcançou resultado efetivo, sendo considerada como uma das Revoluções Burguesas do século XVIII. Neste século, vários movimentos caracterizaram a ascensão da burguesia, apoiada nos ideais liberais do Iluminismo.

Após um século do início da colonização inglesa, já viviam nas 13 Colônias mais de dois milhões de pessoas, com certo grau de independência em relação à metrópole, o que possibilitou um desenvolvimento econômico considerado especialmente nas colônias do norte devido ao comércio triangular.

As leis inglesas de navegação não impediam o desenvolvimento da colônia porque não eram aplicadas. Mas quando o comércio colonial começou a concorrer com o comércio metropolitano fez a Inglaterra mudar de ideia. Em 1750, a Inglaterra havia proibido a produção do ferro e em 1754 proibiu a fabricação de tecidos.

Outro fato importante contribuiu também, foi a Guerra dos Sete Anos (1756-1763), entre Inglaterra e França. Vencedora, a Inglaterra se apossou de grande parte do Império Colonial Francês, especialmente terras a oeste das treze colônias americanas.

Terminada a Guerra dos Sete Anos a Inglaterra adotou uma série de medidas com o intuito de tornar mais rígido o monopólio sobre as colônias e obter maior riqueza. As terras a oeste, tomadas aos franceses após a guerra foram declaradas da Coroa e portanto os colonos foram proibidos de ocupa-las, frustrando as expectativas dos grandes proprietários do sul, que se encontravam constantemente endividados, na medida em que dependiam do comércio inglês.

Com o pretexto de recuperar as finanças do Estado, abaladas com a guerra contra a França, os ingleses adotaram diversas leis coercitivas, que na prática serviriam para garantir o mercado colonial para os produtos de outras colônias ou comercializadas por empresas inglesas, particularmente o chá, monopolizado pela Companhia das Índias Orientais.

As principais leis coercitivas foram:
•Lei do Açúcar (1764): taxando o açúcar que não fosse comprado das Antilhas Inglesas;
•Lei do Selo (1765): obrigava a utilização de selo em qualquer documento, jornais ou contratos;
•Atos Townshend (1767): leis que taxavam a importação de diversos produtos de consumo. Criavam os Tribunais Alfandegários;
•Lei do Chá (1773): garantia o monopólio do comércio de chá para a Cia das Índias Orientais;
•Leis Intoleráveis (1774): impostas após a manifestação do Porto de Boston, interditava o porto da cidade, imposição de um novo governador para Massachussets e aquartelamento de tropas britânicas;
•Ato de Quebec (1774): impedia que as colônias de Massachussets, Virgínia, Connecticut e Pensilvânia ocupassem terras à oeste.

Em 1774, os representantes das colônias organizaram o Primeiro Congresso da Filadélfia exigindo que as Leis Intoleráveis fossem revogadas e o direito de representação no Parlamento inglês, o que não aconteceu. Formaram então comitês pró-independência em todas as cidades.

Em 1775 os ingleses atacaram Lexington e Concord. Nesse mesmo ano reuniu-se o Segundo Congresso Continental da Filadélfia, de caráter separatista, onde os colonos organizaram um exército que seria comandado por George Washington, da Virgínia e deu a Thomas Jefferson a liderança de uma comissão encarregada de redigir a Declaração de Independência.
No dia 4 de julho de 1776, os colonos resolveram romper definitivamente com a Inglaterra, proclamando a sua Independência. Iniciava-se uma guerra contra os ingleses que contou com o apoio de tropas espanholas e francesas.

Em 1781 as tropas coloniais e francesas derrotaram os ingleses na Batalha de Yorktown e em 1783 foi assinado o Tratado de Versalhes, segundo o qual a Inglaterra reconhecia a independência das treze colônias, agora Estados Unidos da América.
Em 1787, os Estados Unidos promulgaram sua constituição com características iluministas como a garantia de propriedade privada, opção por uma república federativa e divisão em três poderes (executivo, legislativo e judiciário). Ficou mantida porém a escravidão dos negros que levariam os EUA a uma guerra civil, anos depois.



Nenhum comentário:

Postar um comentário