Related Posts Plugin for WordPress, Blogger... Fazendo História Nova: A Guerra Civil Espanhola

segunda-feira, 6 de junho de 2016

A Guerra Civil Espanhola


































..........A Espanha entra no século XX como uma monarquia já decadente pela perda de seu império colonial e de suas últimas colônias ultramarinas de Cuba, Porto Rico e Filipinas após a derrota da Guerra Hispanico-Estadunidense (1898) ainda sob a regência de Maria Cristina mãe de Afonso XIII que seria rei em 1902. 
..........Essa derrota gerou várias revoltas sociais nas principais cidades do país lideradas principalmente por comunistas, socialistas e anarquistas. A partir de 1910, esses grupos comandaram diversas manifestações trabalhistas organizando muitos comandos de greve. A situação chegou a um ponto insustentável e, com isso, o regime absolutista espanhol abdicou do poder para deixar a nação sobre o controle dos militares. O general Primo Rivera, em 1923, instalou um governo ditatorial com apoio dos monarquistas. A repressão do governo militar foi respondida com o repudio violento da população, que em 1930 conseguiu dar fim ao mandato de Primo Rivera. Percebendo a insustentabilidade da monarquia, o então rei Alfonso XIII deixa o trono dando espaço para a fundação do governo republicano. 
..........A Espanha implantou uma reforma política que marcou o início da chamada Segunda República. No final de 1931, o país ganhou uma nova carta constitucional e elegeu Niceto Alcalá Zamora como novo presidente espanhol. Entre outras ações, o novo governo descentralizou o poder, instituiu um regime eleitoral com voto livre direto, fixou novos salários, iniciou uma reforma agrária e promoveu a separação entre Igreja e Estado.  
..........Porém, essas medidas são consideras insuficientes pelos setores de esquerda que logo se levanta uma onda anarquista de greves, atentados à bomba, assaltos a quartéis e ocupação de prefeituras nas regiões de Valência e Catalunha. Isso apavora a ultra-direita, composta por monarquistas, católicos conservadores, grupos pequenos de tendência fascista como a Falange Espanhola e militares direitistas. 
..........Ao longo da década de 1930, a delicada situação política ganhou novos contornos com a polarização política instituída por dois novos movimentos: a Falange Tradicionalista Espanhola, defensora de um regime totalitário no país; e a Frente Popular de Esquerda, que agrupava líderes socialistas, comunistas e anarquistas. 
..........Nas eleições de 1936, a Frente Popular teve uma vitória apertada, com 4.654.116 votos contra 4.503.524 dos direitistas. Os centristas fizeram 526.615 votos. A Espanha estava dividida. 
..........O novo governo do presidente eleito Manuel Azaña, deu anistia geral, modificou as leis, ampliou o ensino público, tentou instituir seu projeto de reforma agrária e concedeu aumento salarial para as classes trabalhadoras. 
..........A direita ultraconservadora se alia aos militares e optam por um golpe de Estado comandado pelo chefe do Estado-Maior e integrante da Falange, Francisco Franco que se rebela na África em 17 de julho de 1936 comandando um contingente de 30 mil homens e 12 mil marroquinos sob suas ordens. Franco ainda recebe o apoio militar dos governos nazifascistas de Hitler e Mussolini. 
..........Do lado do governo republicano, as Brigadas Internacionais lideradas pela Internacional Comunista, chegou a recrutar 40 mil jovens de 50 países, recebeu apoio militar da URSS, para formar exércitos favoráveis aos grupos de esquerda. 
..........Entre os anos de 1936 e 1937, vários combates arrasaram a nação espanhola. Entre as mais violentas e famosas batalhas acontecidas nesse período, destacamos o bombardeio aéreo dirigido contra a cidade de Guernica, tema de uma das mais famosas obras do pintor Pablo Picasso. No ano de 1938, os franquistas já tinham controlado as principais cidades do território espanhol. Além disso, a União Soviética assinou um armistício com a Alemanha e retirou suas tropas da Espanha. 
..........Em março de 1939, os exércitos do general Franco conseguiram tomar posse da cidade de Barcelona após uma sangrenta batalha, onde 30 mil republicanos foram executados. A partir de então, Francisco Franco se tornou líder máximo da nação espanhola, deixando o cargo somente em 1975. De acordo com algumas estimativas, em seu breve período de duração, a Guerra Civil Espanhola foi responsável pela morte de mais de um milhão de pessoas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário